Nutricionista Andréia Carrara - Nutrição Clínica e Nutrição Esportiva - Nutricionista

Whey protein? O que é? Pra que serve? Nutricionista Andréia Carrara



Nutricionista Esportiva - Whey proteinVocê começa a treinar e vê o pessoal tomando alguma coisa dentro de uma coqueteleira na academia e te dizem que é Whey Protein. Aí você se pergunta: O que é Whey Protein? Pra que serve? Eu preciso tomar isso pra treinar?

Vamos começar entendendo do que se trata esse produto. Whey protein é a proteína do soro do leite e corresponde a 20% de toda proteína contida nele. Os 80% de proteína restantes correspondem à caseína.

Antigamente, durante a produção do queijo, a proteína do soro do leite era inutilizada. Com o passar do tempo, a riqueza de imunoglobulinas contidas neste produto foi descoberta e o suplemento começou a ser indicado para proteção imunológica e recuperação pós-exercício. Até então, o que se usava muito na suplementação era a albumina (proteína da clara de ovo).

Existem tipos de whey protein, e o que os diferencia é o processo de filtração, sendo classificados como:

  • Concentrado – 85% de conteúdo protéico na fórmula. Mais simples e barata. Micke et al., 2001, constatou uma resistência aumentada à infecção e aumento de 25 a 44% nos níveis de glutationa em pacientes HIV-positivos que consumiam esta proteína;
  • Isolado – 90% ou mais de conteúdo protéico na fórmula. É mais cara;
  • Hidrolisado – a ciência observou recentemente bons resultados em relação à síntese proteica com o uso deste tipo de whey protein associado com carboidratos de alto índice glicêmico e a leucina.

Comparando os tipos de whey protein, não há diferença, comprovada cientificamente, entre eles quando se trata de melhora do desempenho em atletas.


VEJA TAMBÉM:


* Suplementação com glutamina e a relação com imunidade e atividade física

* Pasta de amendoim e sua importância para atividade física

* Restringir ou eliminar o carboidrato da alimentação - os riscos da dieta  "low carb"

* Leucina, forte aliada contra a dor muscular


No mercado existem os Suplementos 3W que é a mistura das três formas de Whey protein (isolada, concentrada e hidrolizada), que é mais barato e muito eficiente; e ainda o Whey protein com creatina e caseína, Whey protein com colágeno (normalmente em embalagens cor de rosa) pra chamar a atenção do público feminino, etc.Whey protein - Nutricionista Esportiva


Por falar em público feminino, depois da entrada da mulher no ambiente da musculação, que até os anos 80 era um ambiente exclusivamente masculino, a indústria de suplementos nutricionais aumentou muito a variedade de sabores de whey protein. Podemos combinar, e quem já tomou Whey protein sabe, não é algo muito saboroso, pelo contrário! Mas os homens se prendem menos à questão do sabor e focam muito no resultado que o produto oferece. Já a mulher tem mais resistência com produtos de sabor ruim. Isso forçou a indústria a desenvolver produtos com sabores mais agradáveis.

A proteína do soro do leite contém aproximadamente 20 a 30% de aminoácidos na forma de BCAA (leucina, isoleucina e valina). Esses são rapidamente oxidados pelo músculo ajudando o retardamento da fadiga durante a prática de exercícios, principalmente em altas temperaturas. Estudos realizados por van Loon et al.  (2000) mostram que a ingestão de Whey protein com carboidratos gera aumento significativo nas concentrações sanguíneas de sete aminoácidos essenciais, inclusive os BCAAs.

Além do BCAA, o Whey protein é rico em cisteína, aminoácido que compõe a glutationa que é um antioxidante celular. Durante o exercício físico intenso, o nível de glutationa celular cai. A reposição de cisteína pela suplementação auxilia na recuperação deste aminoácido.

Além dessas proteínas, o Whey protein é composto por:

  • Lactoferrina – é uma proteína composta por 689 aminoácidos e se liga ao ferro;
  • Imunoglobulinas – são anticorpos e estão divididas em cinco classes: IgA, IgD, IgE, IgG e IgM. Corresponde de 10 a 15% do total de proteínas contidas no soro do leite;
  • Betalactoglobulina – além de ser fonte de BCAA, é transportadora de ácido retinoico (forma oxidada de vitamina A);
  • Alfalactoalbumina – corresponde de 15 a 25% das proteínas totais do soro do leite. É utilizado, inclusive para a produção de fórmulas infantis;
  • Lactoperoxidase – é uma enzima que catalisa várias reações, inibindo o crescimento bacteriano;
  • Glicomacropeptídeo – outra proteína rica em BCAA;
  • Albumina do soro bovino – corresponde de 10 a 15% do soro do leite e é outra proteína rica em BCAA.

Depois de ingerido, o whey protein passa rapidamente do estômago para o intestino delgado, onde permanece especialmente no jejuno para sua absorção.

Estudo realizado por Burke ET AL (2001), que avaliou o efeito da suplementação de whey protein, creatina e placebo sobre a massa muscular e sobre a força de indivíduos de 18 a 31 anos, mostrou que a suplementação de 1,2 g/kg de peso corporal/dia é eficaz para os aumentos da massa muscular e da força após 12 semanas de suplementação. Ou seja, neste estudo o whey protein se mostrou melhor que a creatina.

Logo, a suplementação de Whey protein é eficaz para a melhora do estado nutricional, aumento de massa muscular e desempenho esportivo. Mas como todo suplemento deve ser orientado pelo seu Nutricionista.

 

«InícioAnterior123PróximoFim»
Página 1 de 3